A 4ª Revolução Industrial automatizará nossos empregos?

FacebookTwitterLinkedInGoogle+PrintEmail

PELI - post fgvExistem dois papéis em uma revolução industrial: protagonista e coadjuvante. O primeiro papel é exercido por poucos, como Thomas Edison, Henry Ford ou Steve Jobs, observados com admiração pela grande maioria que faz o possível para acompanhar as mudanças. Neste momento, o mundo passa pela quarta revolução industrial, mais disruptiva que todas as anteriores por ter um número muito maior de protagonistas. Como exemplo é possível citar as startups de tecnologia chamadas de “unicórnio”. São empresas avaliadas em pelo menos 1 bilhão de dólares, que em muitos dos casos são lideradas por ”self made billionaires”, pessoas comuns, ou nem tanto, que por seus próprios méritos alcançaram o título de Bilionário – The Unicorn List (http://fortune.com/unicorns/).

São empresas de diversos segmentos de mercado, tais como: análise de DNA para público em geral, cibersegurança, compartilhamento de recursos, manufatura de drones, serviços de assinatura, entre vários outros ramos que se fossem sugeridos como apostas de futuro dez anos atrás cairiam na descrença dos melhores futurólogos. De acordo com o Boston Consulting Group, neste processo evolutivo milhares de novos empregos serão criados e outros milhares existentes serão automatizados, como toda boa revolução industrial. Nessa mesma linha, os pesquisadores Frey & Osborne estudaram a probabilidade dos empregos passíveis de automação nos Estados Unidos (Figura 1) e Japão (Figura 2), em 2013 e 2016. Analisando os gráficos a seguir, é possível perceber que todos estão sujeitos a um “novo formato” no exercício da profissão. Até mesmo vendas, área reconhecida pela necessidade de habilidades específicas de relacionamento, sucumbirá a formas automáticas e artificialmente inteligentes de operação.

Infelizmente, existem poucas pesquisas similares às de Frey & Osborne no Brasil. Mas já é possível dizer que os impactos continuarão exponenciais, sobretudo com reflexos importantes no PIB e também na configuração do mercado de trabalho, pois a 4ª revolução industrial já automatizou e irá automatizar muitos dos nossos empregos na velocidade de aparição das empresas Unicórnio.

fgv-figura01

Figura 01

fgv-figura02

Figura 02

Fonte: http://www.isaebrasil.com.br/comite-macroeconomico/